sexta-feira, 3 de março de 2017

Descobertas - BLAME!


ブラム!


" O que é 'Terra'? "
- Killy 


 Matrix, Ghost in The Shell, Exterminador do Futuro, Akira, Highlander 2, Mad Max, Ozob e por ai vai. Você já teve amostras o suficiente do futuro negro que nos espera a frente. Esqueça carros voadores, robôs operários, exploração interplanetária. Não, rapaz, o buraco aqui é mais embaixo...bem mais embaixo. Porém, nada do que você conheceu é a verdade. A verdade é pior...muito pior.
 Corredores estreitos e úmidos, civilizações espalhadas e perdidas com suas próprias regras e leis, tubos e prédios orgânicos, maquinas homicidas, mutantes metálicos, a raça humana está quase extinta não só pelas suas ações, mas por seleção natural, modificações necessárias para se viver nesse mundo perdido, onde os únicos caminhos em que se pode ir é pra cima ou pra baixo.
 Eles dizem que o futuro é negro, mas na verdade é em tons de cinza.
 Conheça BLAME!



 BLAME! é uma série mangá com temática cyberpunk pós-apocalíptico de dez volumes escrita e ilustrada por Nihei Tsutomu. O nome desse cara é a palavra chave aqui: Nihei é o criador de Biomega, Knights of Sidonia (este ultimo está tendo uma série de anime produzida pela Netflix, muito boa por sinal) e até mesmo fez uma parceira com a MARVEL para produzir um mangá do WOLVERINE, chamado "Snikt!". Sempre com temáticas futurísticas e pós-apocalípticas, BLAME! foi seu primeiro trabalho, lá por volta de 1998, publicado pela Kodansha.
 Para entender melhor sobre a obra, vamos entender melhor sobre o criador.


O CRIADOR


 Nascido em 1971, Tsutomu Nihei (弐瓶 勉) é um mangaká renomado com uma fan-base bem fiel pela qualidade de suas obras. Quando jovem, estudou Arquitetura, justamente por isso seus trabalhos e desenhos sempre incluem estruturas enormes, prédios gigantescos, áreas que fazems seus protagonistas parecem pequenos demais para o local ou para o desafio. Isso faz com que suas obras sejam únicas, especialmente pela riqueza de detalhes de seus traços.
 Quando falamos que japoneses gostam de deixar as coisas enormes, Nihei leva isso para outro nível.


Um nível muito foda!


A HISTORIA


 Talvez na terra, talvez no futuro, existe a megaestrutura conhecida como A Cidade, um mundo mecânico tão vasto, tão gigantesco que ninguém sabe mensurar seu tamanho, a quantidade de vias e vielas que tem, nem quantos seres vivem ali, repleto de corredores, escadarias, quedas para lugar nenhum e até cavernas.
 No meio desse caos, existe Killy, nosso protagonista frio e calado, carregando uma pistola de Raios Gravitacionais (tecnologia rara e de ponta no mundo, graças ao poder de perfurar e explodir qualquer coisa). Sua missão é achar um ser humano puro, com Genes que possa ser usado para conectar ao Terminal NET, inteligencia artificial que tenta extinguir a raça humana e expandir infinitamente A Cidade, tudo com a ajuda dos Safeguards, criaturas robóticas orgânicas que caçam e destroem qualquer tipo de vida. O motivo de querer de conectar ao terminal é simples: Salvar a humanidade, descobrir o que é de fato a humanidade, o que aconteceu com ela e...pra falar a verdade, isso vai desencadear todas as respostas possíveis.
 Nesse mundo fodido, tribos de humanoides, ciborgues e mutantes "coexistem". Todo o lugar é dividido em andares, cada andar até parece ser um novo país ou até mesmo um planeta distinto, pelas formas de vidas que nele habitam, seu sistema de governo, empregos, comércio e até cidades, fora que a população desses locais só escutam, e tomam tudo como lendas, dos andares a baixo e acima.
 É uma loucura que dá muito gosto.

AMBIENTAÇÃO

 A arte do criador é sensacional. Quem conhece seus trabalhos sabe como ele é detalhista em suas estruturas, criaturas e personagens, colocando detalhes até nas coisas mais disformes e que ajudam de forma unica na ambientação de tudo.
 Mas não importa o quanto se tente explicar BLAME! além de seu básico, você nunca irá conseguir resumir tudo em palavras porque o mangá é silencioso e bastante interpretativo.
 O Abstrato é a alma de "BLAME!".
 Por exemplo, existem capítulos inteiros sem fala nenhuma. Killy está sozinho nesse local caótico então, com quem ele vai conversar? Ele só segue seu caminho, vendo tudo ao seu redor e enfrentando
 Aqui os inimigos não param pra conversar, a maioria deles nem sabe falar. Eles te veem e te atacam. O protagonista não vê uma coisa acontecendo, como a A Cidade, de repente, remodelar seus corredores com matéria orgânica ou dar um tiro com sua arma super rara e para pra pensar a explicação daquilo tudo, sendo que é uma coisa comum que ele vê e faz todo dia.
 Muito vai da sua interpretação, do que você mesmo entende do que está acontecendo, você monta suas teorias, você segue o caminho para cima em busca de respostas e isso é fantástico porque você se sente o protagonista, você se vê afundado naquela trama obscura tentando achar uma luz de resposta para inúmeras perguntas. O que é A Cidade? Quem é essa NET que controla tudo? Por que tantos mutantes? Por que Killy tem essa arma? Onde ele a conseguiu?
 É sufocante ao mesmo tempo maravilhoso.
 Esse tipo de clima soou familiar pra você? Deveria. Porque com sua obra, Nihei influenciou inúmeros jogos, tais como a série Souls, Portal, Limbo, Shadow of The Colossus, The Last Guardian, Naissancee e Gravity Rush.
 O cara não é pouca bosta, senhoras e senhores. Ele foi o primeiro a criar um mundo vasto onde o protagonista tem que se virar sozinho, onde um ser humano não deveria existir. Simples, mas revolucionário.



MÍDIA

 O mangá de BLAME! tem dez edições lançadas lá fora. Aqui no Brasil ele começou a ser lançado pela editora JBC, começou a ser comercializado na Comic Con Experience e já tem dois volumes a ser encontrado por ai. Ainda é fácil achar.
 Mas se como eu, você vai ler, vai se integrar e a curiosidade não te deixa dormir, você pode ler o mangá online no site UNION MANGÁS. Para começar e ler é só clicar AQUI!
 Foram feitos também seis episódios ONA (Original Net Animation, um tipo de animação feito só para a internet) com um sétimo lançado somente em DVD. Caso queira vê-los é só clicar AQUI e ir passando pela lista do lado direito.
 E é claro, o que me fez conhecer essa obra (vergonha minha que deveria conhecê-la a muito tempo), a NETFLIX, mais uma vez, vai se unir ao criador e fazer um filme baseado no mangá.
 Se liga no FODENDO trailer.



Bom família, é basicamente isso.
Me contive para falar pouco a respeito de tudo porque é um mangá surpreendente, uma obra prima e deve ser lida como uma novidade realmente. Para os amantes de cyberpunk é um prato cheio e para aqueles que conhecem pouco a respeito é um ótimo meio de partida. É lindo, merece ser visto.
Obrigado a todos que leram.
Bom dia, boa tarde e boa noite.


Nenhum comentário:

Postar um comentário