domingo, 1 de novembro de 2015

Trava Na Garganta

Aqui vou eu novamente
Nessa mesma viagem
Não me deixando dormir
Parece até sabotagem

Mas eu vou admitir
Eu prefiro bem assim
Sozinho e acordado
Do que ficar no frenesim

Dessas pessoas de mascará
Perguntam "como está, que quer fazer?"
Só pra manter as aparências
Elas não querem e nem precisam saber

A maioria só quer assunto
É sempre o mesmo tabu
Fazer fofoca nas suas costas
Vai toma no seu cu!

Dizem que engulo muita coisa
Que guardo tudo pra mim
Falam muita bosta
Só porque escolhi ser assim

Não vou dizer frase clichê
"Ninguém me entende"
Mas como sempre, serei sincero
Você se perderia na minha mente

As coisas que eu vi
As coisas que me chamaram
As coisas que eu fiz
As coisas que me falaram

Esse tipo de merda
Eu me recuso a dividir
Isso é problema meu
Para enfrentar e possuir

Não me cobre um desabafo
É minha lei, é assim que eu faço
Não te interessa o que eu passei
Não te interessa o que eu passo

Narcisismo? Pode até ser
O que eu não quero é colidir
Não quero que se espalhe
Por isso engulo e aprendo a digerir

Mas isso não é fraqueza
Vê se não me subestima
Eu só prefiro morrer
Do que pagar uma de vitima

Minhas letras e minhas palavras
Eu juro, não é incúria
A culpa não é minha
Se as mais sinceras são as palavras de fúria

Mas como todo ser humano
Tenho meus momentos de fraqueza
As vezes perco o controle
Já quase perdi toda a minha riqueza

As vezes eu tropeço
As vezes penso em voltar
Pequenos momentos de delírio
Logo volto a caminhar

Ri pra caralho quando falaram "vá pra igreja"
Se comporta e senta no banco
Até parece que nasci pra dar moral
Aos mercenários de branco

Esquece, rapaz
Eu to sempre de pé
Eu não to reclamando
Só to dizendo como é

Isso não tem cura
Esse veneno, não dá pra diluir
Mas já falei, é até bom
Me ajuda a evoluir

Por isso sigo em frente
Calado e calejado
Pelo menos nessa parte
Eu sigo o planejado

E não precisa fazer nada
Nem forçar a conviver
Como todos os dias
Eu vou sobreviver

Munido da armadura
Me cubro com a manta
E pra não disseminar a doença
Eu viro a trava na garganta

Nenhum comentário:

Postar um comentário